A hemodiálise consiste em filtrar o sangue para remover o excesso de líquido, toxinas e substâncias retidas no corpo. As sessões de hemodiálise são realizadas três vezes por semana. E cada sessão tem duração média de quatro horas. Para isso, o paciente precisa ter um acesso vascular por onde o sangue será retirado e devolvido após ser filtrado. Esse acesso pode ser um cateter venoso central ou uma fístula arteriovenosa (FAV). 

A máquina de hemodiálise é composta de sistemas de segurança ao paciente durante toda a sessão de diálise, sendo possível programar uma diálise adequada e individualizada. Cada paciente tem seu material de hemodiálise (dialisador e linhas) individualizado e identificado. O sangue circula por um sistema estéril e fechado, chegando ao dialisador, através das linhas para hemodiálise. Após o término da sessão de hemodiálise a máquina passa por um processo de desinfecção para que o próximo paciente possa usá-la. 

Acessos para Hemodiálise

O que é uma fístula arteriovenosa FAV?

Uma fístula arteriovenosa (FAV), que pode ser feita com as próprias veias do indivíduo ou com materiais sintéticos. É preparada por uma pequena cirurgia no braço ou perna. É realizada uma ligação entre uma pequena artéria e uma pequena veia, com a intenção de tornar a veia mais grossa e resistente, para que as punções com as agulhas de hemodiálise possam ocorrer sem complicações. A cirurgia é feita por um cirurgião vascular e com anestesia local. O ideal é que a fístula seja feita de preferência 2 a 3 meses antes de se começar a fazer hemodiálise.

O que é um cateter de hemodiálise?

O cateter de hemodiálise é um tubo colocado em uma veia no pescoço, tórax ou virilha, com anestesia local. O cateter é uma opção geralmente temporária para os pacientes que não têm uma fístula e precisam fazer diálise. Os principais problemas relacionados ao uso do cateter são a obstrução e a infecção.